Treviso Pizzaria_970x90
ARTIGO

A Polícia Militar e a violência contra a mulher

Por Jefferson Schmidt

08/02/2022 06h40
Por: Redação
50
Foto: Giovanni Silva
Foto: Giovanni Silva

 

Retorno com minha participação quinzenal nos vários meios de comunicação de nossa região para levar orientações e opiniões na área da Segurança Pública.

Começo o ano abordando um assunto que está sendo recorrente e avassalador em nossa sociedade: a violência contra a mulher!

Neste último sábado, dia 5, a Polícia Militar atendeu mais uma ocorrência desta natureza. Mas, pasmem caros leitores, era de um filho de 30 anos que agrediu e tentou matar sua mãe, querendo jogá-la da sacada do apartamento. Tem cabimento uma coisa desta?

Nas estatísticas criminais dos últimos cinco anos, vemos uma dinâmica de altos e baixos nos números, mais alta do que baixa.

Em 2017,  inicialmente quando trouxemos para Blumenau o Programa Rede Catarina, vimos uma crescente nos registros de agressões. Entendemos à época que se tratava de um sinal de que o nosso trabalho estava conscientizando mais as mulheres para efetuarem o registro e acreditávamos que em um determinado momento se estabilizaria e começaria a diminuir.

O trabalho da Rede Catarina ampliou, se qualificou e passou a também atuar na fiscalização dos infratores, em especial os que possuíam medidas protetivas contra si. Inegavelmente um avanço ao combate a violência contra mulheres.

Todavia, o que vemos hoje, mesmo que levemos em consideração todos os vetores ocorridos nos últimos anos, é uma leve queda nos registros de ocorrências. Mas por si só, ao meu ver, não é o espelho da realidade!!!

Mas então você pode me perguntar o que está acontecendo?

Na minha percepção, acredito que a violência contra a mulher não retrocedeu! As mulheres, as que se conscientizaram, continuam registrando os B.O.'s.

Logo, o que pode estar acontecendo é a diminuição das reincidências. Ou seja, uma vez agredida, a mulher faz o B.O. que gera uma medida protetiva. Assim, o agressor identificado, sofre a prévia sanção com as determinações judiciais que lhe são impostas. A Rede Catarina faz a fiscalização, o que inibe novas agressões.

Em contrapartida, lamentavelmente o número de medidas protetivas vem aumentando, é bem verdade que de forma oscilada.

Esta situação, na minha ótica, é de que estamos conseguindo estancar a violência onde ela já ocorria. Mas ainda não tiramos as nossas mulheres da situação de risco. Quer seja nas ruas, no trabalho e principalmente em suas residências.

E isto tem que ficar bem claro para todos, para que não nos deixemos levar por dados frios que indicam uma leve queda nos índices da violência contra a mulher.

Para que possamos não esmorecer frente a este problema social e que recai para atendimento policial.

Soube de um trabalho que está sendo desenvolvido pela arquiteta Michele Schwanke, de Blumenau, que visa trazer a discussão este tema para a sociedade. No que estiver ao nosso alcance, nos propusemos a colaborar e apoiar.

Quem sabe deste contexto possamos indicar novos caminhos de prevenção e apontar boas soluções para políticas públicas, não?

Forte abraço,

 

Sou Jefferson Schmidt, Coronel da Polícia Militar de Santa Catarina.

 

Contatos:           https://wa.me/5547988421896

E nos sigam no @coroneljeffersonschmidt (Instagram)

Nenhumcomentário
500 caracteres restantes.
Seu nome
Cidade e estado
E-mail
Comentar
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.
Mostrar mais comentários